07 abril, 2009

Baalbeck International Festival

        Após período de exibições amadoras,  a década de 40, com a exibição da peça "Os Persas" de Ésquilo pela Associação Cultural Libanesa, pode ser considerada como fase de consolidação do Baalbeck International Festival, que é um dos mais importantes festivais culturais do Oriente Próximo.  Em 1956 iniciam-se as apresentações no interior da Acrópole Romana, no Vale do Beeka - Líbano.
       Diversas foram as apresentações antológicas; na década de 60, "Ballet Du XXe Siècle" - Maurice Béjart, "The Royal Ballet" - direção de Frederick Ashtov e solistas Margot Fonteyn e Rudolf Nureyev; na década de 70 "Mahrajane" - Romeu Lahoud e solistas Sabah e Chouchou, ainda neste período desfilam pelo festival os jazzistas renomados com a estréia de Ella Fitzgerald em 1971, no ano seguinte apresentam-se por lá, Ella, Roy Eldridge, Oscar Peterson, Dizzie Gillespie, em 1973 é a vez de Miles e no ano seguinte Charles Mingus.  O retorno de Dizzie Gillespie All Star Big Band ao Líbano, rendeu-lhe um documentário.

        O período áureo do festival é interrompido em 1975 com a eclosão da guerra civil libanesa, aliás de triste memória, e é retomado apenas em 1997.  A reestréia acontece com "Andalousie, La Glorie, Perdue" - Caracalla Dance Theatre, com Ivan Caracalla à frente. Em 1999 há a apresentação do virtuosos Rabih Abou-Khalil Group(há um link no Aqui e Acolá). Em 2002, Gilberto Gil presta tributo a Bob Marley; em 2004 é a vez do grupo brasileiro de dança, Grupo Corpo; no ano passado, também fomos bem representados pelo grupo Tania Maria Quartet.
       A efervescência cultural libanesa rendeu-lhe o título a Beirute de 9° Capital Mundial do Livro, conferido pela UNESCO pela sua "diversidade cultural."
       Longa vida ao Baalbeck International Festival!.
          

Nenhum comentário:

Postar um comentário