26 dezembro, 2009

Esqueléctico Amor




Ter o lugar dos meus olhos
encostados ao teu peito…
Resolvêramos testar
despidos das vestes humanas
o nosso amor.
Talvez houvesse uma consistência
loucura, labirinto, infinito
no toque afectuoso dos ossos
sentimos, pasme se, uma doçura
sacropélvica ternura, o som dos toques
calcificantes espasmos
quando me afagaste o fremente fémur
tua mandíbula mordendo ,o estribo ardente
os olhos dilatados
[ se os tivéssemos] p’la invasão
da embriaguês, mil e uma fantasias
uma luz neón, de pluma leve
escrevendo caminhos ofegantes
em sustentáculo responsável
os esqueletos
em frenesim…

Sim!Sim!Sim!


18 dezembro, 2009

ARTE DIGITAL por María Cecilia Foulon

Nos gusta el trabajo de María Cecilia Foulon por ello lo divulgamos y lo compartimos.

15 dezembro, 2009

Saturno, Jesus Cristo e Papai Noel

Nessa época de final de ano costumam aparecer, aqui e acolá, críticas esparsas ao consumismo desmedido em que se transformou o natal. O verdadeiro espírito natalino seria uma invocação dos preceitos cristãos de amor universal e solidariedade, através da celebração do nascimento de Jesus. Sim, Jesus Cristo está sendo substituído por Papai Noel. A primeira aparição do Santa Claus – leio em Espelhos, livro do Eduardo Galeano – foi em 1863 na revista Harper's. Criado por um desenhista, era um gnomo rechonchudo em trajes verdes ou azuis. Ainda segundo o Galeano, quando a Coca Cola contratou o Papai Noel, em 1930, ele ganhou a cara e as cores que hoje conhecemos. Papai Noel é tão artificial quanto o refrigerante que o divulgou mundo afora. Realmente, onde fica Jesus nessa história?
Ocorre que o mundo nem sempre foi cristão. O que havia antes de Cristo? Na antiguidade europeia havia o politeísmo pagão. Não é novidade que a igreja católica, a primeira igreja cristã, incorporou na sua liturgia algumas datas e referências pagãs. Proibiu os rituais antigos e depois de alguns séculos de brutalidade, pimba: Natal em vez de Saturnálias, Semana Santa em vez de Festa Hilária. (Não perca a deliciosa leitura do livro do Galeano, ele fala das Saturnálias no capítulo 'O mundo ao contrário caçoava do mundo' e da festa da hilariedade em 'É proibido rir'.). Quando o natal tornou-se cultura, será que os adeptos do politeísmo antigo, na hipótese de algum ter escapado à opressão católica, perguntavam-se onde fica Saturno nessa história?
Embora a igreja católica não detenha o mesmo poder dantes, o cristianismo ainda é hegemônico no ocidente. Já o consumismo do Papai Noel transcende as religiões – cristãos, muçulmanos, judeus, budistas, ateus, macumbeiros – todos podemos consumir. Na dependência das nossas condições econômicas podemos pagar à vista ou em n parcelas, está ao alcance de qualquer um a possibilidade de aproveitar as ofertas noelinas e trocar de celular, carro, roupas, sapatos, brinquedos, televisores etcetera. Papai Noel pode ser mais universal que Jesus Cristo.
É interessante que a substituição do significado cristão do natal para a compulsão de consumo está sendo muito rápida. O consumismo tem uma ferramenta, a publicidade, que cria a necessidade psicológica de se ter certas coisas. Não necessita se valer da força, da proibição e da fogueira, como fizera o cristianismo católico; pelo contrário, no mundo do consumismo prega-se as liberdades individuais e o acesso a bens de consumo como direitos humanos.
O significado cristão do natal já está relegado ao segundo plano e pode acabar completamente esquecido num futuro próximo, da mesma forma que os castos rituais cristãos tomaram o lugar das formidáveis festas da antiguidade. Naquela época, o natal cristão em detrimento das Saturnálias certamente soava artificial, como hoje nos parece artificial o consumismo noelino em detrimento do espírito cristão. Será que a humanidade chegará ao ponto de acreditar que o Papai Noel realmente existiu?

08 dezembro, 2009

Hoje

Provável comentário do caipira:
A sapaiada se ouriça na chuva.
Possível resposta de quem estava distraído:
Ouriço-do-mato?

Sentença que os trabalhadores de são paulo gostariam poder cumprir:
Se continuar a chover assim, amanhã não saio de casa.
E o caipira concorda:
Amém, você não é sapo.

15 novembro, 2009

Classe-medistas, univos!

13 novembro, 2009

Encontro Das Comunidades Quilombolas de Paratibe, Gurugi, Mituaçu e Ipiranga - Paraíba - Brasil


Programação – Semana da Consciência Negra em Paratibe (20 a 29 de novembro de 2009).


ENCONTRO DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DE PARATIBE, GURUGI, MITUAÇU E IPIRANGA.


Dia 20:

- 19h: 20 de novembro na escola (palestra: Associação da Comunidade Negra de Paratibe);

- Teatro realizado pela comunidade de Paratibe;

- Teatro do Núcleo de Extensão Popular CCJ/UFPB;


Dia 21:

- Manhã: início da gincana (demarcações físicas no território e lembrança de costumes antigos da comunidade de Paratibe, brincadeiras e jogos);

- Colocação de placas pelas crianças nos limites territoriais da comunidade;

- Coleta de materiais recicláveis para fazer jangadas (principalmente isopor e garrafa pet);

- 19h: celebração religiosa;

- 20:30 h - capoeira Afro-nagô (grupo de Paratibe);


Dia 22:

- 8:30h: Oficina de audiovisual com pequenos formatos e memória (Coletivo Comjunto – Comunicação-UFPB): registro do evento;

- 19h: Cinema com pipoca na comunidade (Aruanda + todos os vídeos e fotos da comunidade);


Dia 23:

- 14h: Artesanato (org.: Iracema e Dona Neide – Paratibe);


Dia 24:

- 14h: Artesanato;


Dia 25:

- 8:30h: Oficina de pintura em tecido;

- 15h: Oficina sobre plantas medicinais;


Dia 26:

14h: Artesanato;


Dia 27:

14h: Artesanato;


Dia 28:

- Oficina de penteado afro (meninas de Caiana das Crioulas e meninas do Afro-nagô);

- Oficina de Pesca (org.: Jó e Fabrício - Paratibe)

- Noite: capoeira e dança afro (Pitoco)


Dia 29:

Encontro das comunidades quilombolas de Paratibe, Gurugi, Mituaçu e Ipiranga.

- Tarde: chegada das outras comunidades a Paratibe:

- Desfile (com roupas, acessórios e penteado feitos nas oficinas);

- Capoeiras (afro-nagô, berimbau-viola, e algumas pessoas de Matão);

- Teatro Navio Negreiro (de Gurugi);

- Mulambo Acústico.

- Encerramento: Coco de roda de Gurugi;




Realização: Associação da Comunidade Negra de Paratibe, Núcleo de Extensão Popular (NEP/CCJ/UFPB), AACADE (Associação de Apoio às Comunidades Afrodescendentes da Paraíba).



**Durante a semana, será providenciada uma moção para pressionar a Prefeitura a fazer o georeferenciamento e um jornal – mural para divulgar as atividades e discutir a questão quilombola.

**Ambientação da comunidade- musical, visual, simbólica.



Contatos:

8829-3778 (Joseane – Associação da Comunidade Negra de Paratibe);

8893-1228 (Pablo – NEP).



Em Paratibe, bem como em outras comunidades quilombolas, políticas públicas voltadas à resolução da questão fundiária e ao estímulo à diversidade das expressões culturais afrodescendentes colocam-se como os aspectos fundamentais para a promoção desses grupos étnicos.

08 novembro, 2009

Rede Mocambos

Texto extraído da página de apresentação da Rede Mocambos.

www.mocambos.net

Uma Rede de Comunicação Social

Baobab no Crepuscolo

É uma rede de negras e negros de âmbito nacional. Conectando através das tecnologias da informação e comunicação comunidades quilombolas rurais e urbanas. Para isso buscamos parcerias de diversos segmentos para que de forma colaborativa e coletiva possamos reunir diferentes programas, projetos e ações voltados para o desenvolvimento humano, social, econômico, cultural, ambiental e preservação do patrimônio histórico-memória dessas comunidades.

É uma rede solidária de comunidades, no qual o objetivo principal é compartilhar idéias e oferecer apoio recíproco. Os eixos principais que a Rede enxerga são a identidade cultural, o desenvolvimento local, apropriação tecnológica e a inclusão social. A idéia da Rede nasceu em quilombos, em particular em um quilombo urbano, a Casa de Cultura Tainã.

A identidade quilombola é uma raiz da historia do nosso povo e do nosso país, pois desde a época do Brasil Colonia contribuiu efetivamente para o crescimento econômico e social do nosso pais, mas foram sumariamente excluídos, e em sua maioria ainda são, da divisão da riqueza gerada por esse crescimento, como acesso a políticas públicas e direitos legais a propriedade das terras que são ocupadas por elas a diversas gerações. Portanto precisamos garantir as comunidades condições para se desenvolverem, tendo em conta a enorme divida histórica que o nosso pais ainda tem com elas, lembrando que são as comunidades que devem ter a liberdade de escolher o tipo de desenvolvimento que querem.

A tecnologia é uma frente de trabalho da Rede Mocambos, sendo ao mesmo tempo idéia e meio para transferir idéias. Isto é possível somente com uma real apropriação das técnicas e das lógicas, sem ser usuários passivos de algo já pronto, e que por si mesmo não é livre. Dentro dessa linha de pensamento consideramos que o uso e o desenvolvimento de Software Livre que já permite a criação e o compartilhamento entre nós e o mundo, através da Internet por exemplo, chegando a uma inclusão social auto-determinada nos moldes que a comunidade quer.

Querer escolher os próprios caminhos leva a Rede Mocambos a acreditar num modelo de cooperação que vê as comunidades procurarem apoio para os próprios projetos e não as ONGs e as instituições propor e implementar projetos dentro delas. Um primeiro grande apoio procuramos no Estado, que é o orgão responsável em garantir e facilitar os desenvolvimentos livres do seu povo, neste sentido procuramos apoio do governo para garantir o inclusão digital das comunidades. Um grande passo foi onde não tinha nem um orelhão, levar uma antena de acesso a internet via satelite, pelo programa GESAC do Governo Federal, ligar a luz e colocar as comunidades em comunicação na Internet.

Assim, decorre que é necessário entender a força da cultura dessas comunidades, valorizar os conhecimentos construídos em sua vivência e estimular a difusão de um olhar próprio que proponha o reconhecimento dessa cultura e direitos. Romper com a lógica da submissão a emissores de conteúdos é estratégico para que essas comunidades assumam um papel histórico de enfrentamento da informação globalizada e do sistema opressor e concentrador de riqueza e poder que restringem o desenvolvimento dessa população em nosso pais.

DETALHAMENTO SOBRE O QUE É A REDE MOCAMBOS.

A REDE MOCAMBOS é um projeto da Casa de Cultura Tainã, sediada em Campinas

“Nós trabalhamos a questão da identidade cultural por meio das ferramentas tecnológicas. É muito importante para essas comunidades estarem incluídas socialmente e digitalmente. Assim, podemos ajudar a promover o desenvolvimento local” - Antonio Carlos (TC)

O que é a REDE MOCAMBOS?

Canal de comunicação

Rede de comunicação e solidariedade.

É uma rede de diferentes programas, projetos e ações voltados para o desenvolvimento humano integral e a preservação do patrimônio histórico e memória em áreas de Quilombos.

Projeto de redes de comunicação

Rede solidária de comunidades

Projeto popular para comunidade negra e periférica

Promoção da inclusão digital de comunidades ligadas à cultura afro-brasileira.

Onde a REDE MOCAMBOS atua?

Atua em diferentes territórios urbanos e rurais da confederação brasileira.

Quem fala na REDE MOCAMBOS?

Comunidades

Parceiros colaborativos de diferentes programas, projetos e ações voltados para o desenvolvimento; humano, social, econômico, cultural, ambiental e preservação do patrimônio histórico – memória.

Como fala a a REDE MOCAMBOS? como quer alcançar seus objetivos?

Modelo de gestão compartilhada

Ferramentas de software livres

Oficinas de formação para produção e apropriação de conhecimento livre e acesso à informação (oficinas de replicação) pela formação e capacitação em Software Livre para a produção do conhecimento e acesso crítico a informação.

Pela promoção de competências pessoais, coletivas, sociais, formativas, produtivas de indivíduos e comunidades

Pelo fortalecimento institucional das organizações

Pela ampliação de acesso aos bens, serviços e novas tecnologias de comunicação e informação (transferência e apropriação da tecnologia)

pelo incentivo ao protagonismo da juventude (formação e capacitação de jovens das comunidades para atuar como educadores/disseminadores de conhecimentos fundamentais para o desenvolvimento de suas comunidades e para interferir na realidade local)

pela integração das comunidades quilombolas à Rede Mocambos

pela troca de informações, valores e tecnologias

pela produção de conteúdos em multimídia

pela constituição de emissoras comunitárias de rádio e televisão

pela apropriação de tecnologias de manejo ambiental, construção civil e ocupação sustentável de espaços culturais e territoriais

pela promoção de oficinas e vivências de capacitação com jovens para o manejo de tecnologias ambientais e de comunicação e de produção do conhecimento e da informação com ferramentas livres

pela promoção de oficinas formativas continuadas para documentação da experiência em áudio/vídeo

potencializar a constituição de 5 Núcleos de Formação Cultural e de Tecnologia Digital

Quais são os objetivos da a REDE MOCAMBOS?

fortalecer identidade cultural e lutas políticas

contribuir para a efetivação de políticas públicas

trocar idéias e experiências com outras comunidades

promover intercambio cultural, político e econômico

reparar a dívida histórica das sociedades (GRUPOS SOCIAIS) que participaram da economia escravista os afrodescendentes.

potencializar o desenvolvimento no âmbito local e regional

permitir o protagonismo das populações vítimas de discriminação, e que vivenciam desvantagens sócio-econômica, política, cultural e ambiental.

elaborar, monitorar, avaliar e controlar políticas públicas para a eqüidade.

ocupar e criar espaços de proposição, monitoramento e avaliação de políticas públicas

Qualificar integrantes da Rede para a formulação e negociação de propostas;

apoiar as comunidades remanescentes de quilombos.

produzir informação sobre a cultura das comunidades e o meio ambiente em que vivem

apoiar projetos de etnodesenvolvimento das comunidades.

Desenvolvimento institucional em comunidades remanescentes de quilombos.

incentivar a participação do Brasil nos fóruns internacionais de defesa dos direitos humanos.

Estimular o debate político-cultural

Resignificar/valorizar conhecimentos tradicionais

Potencializar o desenvolvimento de forma sustentável no âmbito local e regional em diferentes territórios do Brasil e África

Contribuir para a efetivação de políticas públicas para a reparação para com os afro descendentes.

incentivar o desenvolvimento social sustentável

valorizar conhecimento e sabedoria populares e produção local

implementar novas abordagens e ações de geração de renda

discutir o manejo apresentável de recursos naturais

reconhecer, estimular e documentar a criação de iniciativas inovadoras, autogeridas e sustentadas

identificar e documentar junto às comunidades integrantes da Rede Mocambos suas manifestações e seu patrimônio histórico e cultural, material e imaterial, e manter organizada essa documentação

construir um portal de comunicação na Internet para difusão da produção coletiva dos integrantes da Rede Mocambos

construir estratégias de ampliação do acesso a bens, serviços, trabalho e renda

estimular o desenvolvimento institucional nas comunidades remanescentes de quilombos

Qual a origem do nome MOCAMBOS?

Cultura de resistência dos quilombos

“O mocambo ou mucambo, a palhoça ou o tejupar, são denominações dadas a moradias

construídas artesanalmente usando materiais locais. Nos quilombos mais antigos, como o quilombo de Palmares, os mocambos eram construídos em círculos para facilitar a comunicação e como tática de defesa e resistência.”

“Quilombo é sinônimo de luta pela terra e liberdade, e desta luta que começou há mais de trezentos anos surgiram as comunidades quilombolas do Vale do Ribeira. Comunidades que sobreviveram até hoje na contracorrente da concentração fundiária e da devastação da Mata Atlântica.” (www.quilombosdoribeira.org.br)

Quem está na REDE MOCAMBOS?

27 comunidades (12 pontos de cultura e 15 quilombos)

31 contam com a parceria do Gesac e já estão conectados à Internet

65 novas comunidades serão integradas à Rede Mocambos e deverão ser conectadas à internet.

Qual o contexto e a história da REDE MOCAMBOS?

Criada no ano de 2001

contexto de criação

Calor do debate sobre o processo de realização do Fórum Social Mundial

Ano da III Conferência Mundial contra o Racismo, Xenofobia e Intolerâncias Correlatas (África do Sul de 31 de agosto a 8 de setembro 2001)

Partindo da premissa de que a democracia converge na igualdade de oportunidades, de tratamento e de condições, priorizamos a questão da inclusão voltada às populações vulneráveis, cujos territórios urbanos e rurais são demarcados pelas diferentes formas de discriminação, violência, ausência de serviços públicos essenciais, desemprego e subemprego entre outras formas de violação de direitos. Considerando o imenso poder que os meios de comunicação exercem, sendo fundamental na construção de estratégias de dominação e controle das populações a eles submetidas, o acesso aos meios de produção e difusão da informação e conhecimento é essencial para as comunidades quilombolas hoje. Daí decorre que é necessário entender a força de sua cultura, valorizar os conhecimentos construídos em sua vivência e estimular a difusão de um olhar próprio que proponha o reconhecimento dessa cultura e direitos. Romper com a lógica da submissão a emissores de conteúdos é estratégico para que essas comunidades assumam um papel histórico de enfrentamento da informação globalizada e do sistema opressor e concentrador de riqueza e poder que restringem o desenvolvimento dessas populações em países como o Brasil.

Quais são os parceiros da rede, por estado

SÃO PAULO

- Campinas: Casa de Cultura Tainã / Projeto Herbert de Souza / Coletivo de Mulheres Laudelina / Nação Congo/ Centro de Convivência e Cooperativa Toninha

- Americana: Associação Arte de Vencer – Tambor Menino

- Salto de Pirapora: Quilombo Cafundó

- Atibaia: Quilombo de Brotas

- Itapeva: Quilombo Jaó

- Vale do Ribeira: Eldorado : André Lopes / Nhunguara / Sapatu / São Pedro / Galvão / Ivaporunduva / Quilombo Pedro Cubas 1 e 2

- Cananéia : Mandira Quilombo Maria Rosa

- Iporanga : Porto Velho / Cangume/ Maria Rosa / Pilões

- Barra do Turvo : Cedro / Pedra Preta / Ribeirão Grande

- Ubatuba: Caçandoca / Camburi / Fazenda da Caixa

RIO GRANDE DO SUL

- Porto Alegre: Instituto Cultural Afro-Sul – Projeto Afro-sul Odomodê

Pelotas: Associação Chibarro

MATO GROSSO DO SUL

- Campo Grande - Mukando Kandango (Associação Familiar da Comunidade Negra São João Batista)

PERNAMBUCO

- Olinda: Maracatu Leão Coroado / Núcleo de Memória Coco de Umbigada – Escola de Ensinamento de Mãe Preta / Alafin Oyó / Comunidade Xambá

- Salgueiro: Associação Quilomba de Conceição das Crioulas

PARÁ
- Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná (ARQMO) / UCLA - Projeto Puraqué - União da Cultura Livre da Amazônia (Santarém) / Associação Quilombola de Salvaterra (Marajó)

AMAPÁ

- Conselho das Comunidades Afro-descendentes do Amapá - CCADA (Macapá) / Associação dos Agricultores e Moradores da Comunidade Torrão do Matapi - AAMCTM (Macapá)


links da pesquisa:

http://oca.idbrasil.org.br/wiki2/index.php/Rede_Mocambos

http://estudiolivre.org/tiki-browse_freetags.php?tag=rede%20mocambos

http://wnews.uol.com.br/site/noticias/materia.php?id_secao=1&id_conteudo=9544

http://www.cultura.gov.br/blogs/cultura_digital/?p=97

http://ourproject.org/moin/mocambos

Ações do

Lira Paulistana - 30 anos

06 DE DEZEMBRO, DOMINGO, A PARTIR DA 16:OOh, SHOW NA PRAÇA BENEDITO CALIXTO COM ARRIGO BARNABÉ, BANDA ISCA, LÍNGUA DE TRAPO, PREMÊ E MUITO MAIS...
.
NO SESC CONSOLAÇÃO TAMBÉM, INTENSA PROGRAMAÇÃO PELO ANIVERSÁRIO DE 30 ANOS DO LIRA:
.
17/11 - TERÇA - 21:00h - VÍDEO SOBRE O LIRA PAULISTANA DE RIBA DE CASTRO (30 min.) E SHOW COM BANDA ISCA E ANELIS ASSUMPÇÃO.
.
18/11 - QUARTA - 21:00h - LÍNGUA DE TRAPO E PREMÊ (Antes, vídeo do Riba de Castro, versão 10 min.)
.
24/11 - TERÇA - 19:30h - ALZIRA E. e PASSOCA
.
25/11 - QUARTA - 21:00h - CLEMENTE (BANDA INOCENTES) E CONVIDADOS DO ROCK
.
01/12 - TERÇA - 19:30h - JORGE MAUTNER
.
02/12 - QUARTA - 21:00h - CLEMENTE E CONVIDADOS DO ROCK
.
08/12 - TERÇA - 21:00h - Ná Ozzetti, Tetê Espindola e Virgínia Rosa
.
09/12 - QUARTA - 21:00h - ARRIGO BARNABÉ
.
MAIORES INFORMAÇÕES: http://www.sescsp.org.br/sesc/programa_new/busca.cfm?palavra=lira+paulistana&busca_tipo=1&buscaselect=0&Atividade_ID=0&Unidade_ID=0&x=6&y=7).
.

06 novembro, 2009

The Legal Character of National Actions and Commitments in a Copenhagen Agreement: Options and Implications - Zunia.org

The Legal Character of National Actions and Commitments in a Copenhagen Agreement: Options and Implications - Zunia.org

Funding opportunities for NGOs, CBOs and researchers - Zunia.org

Funding opportunities for NGOs, CBOs and researchers - Zunia.org

Brasil NOAR 2009


RESUMO DE ATIVIDADES

INAUGURAÇÃO no Espai Palmares – Domingo, 01 de novembro, a partir de 12:00.
Capoeira na Roda, encontro dos grupos de Capoeira de Catalunha.

MÚSICA – Concertos na Sala Apolo – Domingo, 08 de novembro, de 20:00 a 04:30.
A principal noite de concertos brasileiros de 2009 em Barcelona.
Desde a Música Popular Tradicional e de Raiz (folclore) até a Música Contemporânea brasileira.
Entradas somente na bilheteria, na mesma noite dos concertos.

EXPOSIÇÃO BRASILNOAR DE FOTOGRAFIA E ARTES PLÁSTICAS
Do 2 ao 30 de novembro no Consulado–Geral do Brasil em Barcelona.
Do 5 ao 28 de novembro no Lounge Club Maumau.

MOSTRA DE CINE BRASILNOAR no Lounge Club Maumau, inicio 21:30.
Com curtas–metragens brasileiros de ficção, animação, documentário e experimental.
Dias 6 e 7 de novembro (sexta–feira e sábado) e 13 e 14 de novembro (sexta–feira e sábado).

CONFERÊNCIA no Consulado–Geral do Brasil em Barcelona, 20 de novembro, 18:30.
“Capoeira na Roda”, encontro dos grupos de Capoeira para falar sobre individuo “O Capoeirista”.

CURSOS DE CAPOEIRA, DANÇA E PERCUSSÃO no Espai Palmares.
Dias 21 e 22 de novembro (sábado e domingo) cursos de Capoeira.
Dias 28 e 29 de novembro (sábado e domingo) cursos de Dança Afro-Brasileira e Percussão.
_____________________________________________________________________________________________

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

Informações das atividades atualizadas
_____________________________________________________________________________________________

01/11/09 – INAUGURAÇÃO – RODA DE CAPOEIRA
ESPAI PALMARES

Assunto: Capoeira na Roda – Roda de Capoeira com diversos representantes de distintos grupos de Capoeira que operam na Catalunha.
Local: Espai Palmares.
Data: 01/11/09, domingo.
Horário: A partir das 12:00.
Endereço: c/ Riereta, 20 Bis 1º (Raval).
Preço: Grátis.
(Mapa)


No Hits - São Paulo - SP

29 outubro, 2009

FANTA KONATÊ e TROUPE DJEMBEDON apresentam " JURAMANDÉN - A Diáspora da Luz"

FANTA KONATÊ e TROUPE DJEMBEDON apresentam " JURAMANDÉN - A Diáspora da Luz"

UNINDO o Brasil e a GUINÉ, o espetáculo "JURAMANDÉN - A Diáspora da Luz" traz uma bela mensagem do Império Mandinga Sec XIII, A "CARTA DO MANDÉN" datada de 1222 d.C., numa linguagem musical atual que tem como base a rítmica e a timbragem da Guine complementada pela Harmonia Brasileira, unindo tambores e instrumentos ancestrais Imperiais com violão, guitarra, viola, sax e multimídia.

FANTA KONATÊ é considerada uma das mais renomadas bailarinas africanas do mundo, filha do grande mestre percussionista FAMOUDOU KONATÊ, e acaba de voltar de uma belíssima turnê de 2 meses no Japão. Sua voz é única e tem a força e a doçura da África Oeste, Terra dos ETERNOS GRIÔS.

Os artistas convidados são de altíssimo nível : Carlinhos Antunes (cordas), Simone Sou (percussão), Josué dos Santos (sopros), Téo Ponciano (Multimídia e VJ), Street Breakers Crew e outros. Através deste trabalho pioneiro, acessamos as raízes mais puras do Oeste Africano, preservadas desde o Império de Mali (sec. XIII), em ressonância harmoniosa com o Brasil (Herdeiro), abrangendo todas as frequências, tons e cores neste novo show.
IMPERDíVEL !!!

MAIORES INFORMAÇÕES NO RELEASE COMPLETO EM ANEXO.


SERVIÇO : Shows e Oficinas de Fanta Konatê e a Troupe Djembedon - Programação de Novembro 2009


SHOWS

01 nov SESC Pinheiros – Praça de Convivência 16h – Grátis
02 nov SESC Pinheiros – Praça de Convivência 16h – Grátis
07 nov SESC Pinheiros – Praça de Convivência 16h – Grátis
08 nov SESC Pinheiros – Praça de Convivência 16h – Grátis
10 nov Floripa Festival de Música Contemporânea - 20h
14 nov Itápolis – Circuito Cultural Paulista – 20h - Grátis
17 nov Floripa COPPIR
20 nov SESC Pinheiros – Praça de Convivência 16h – Grátis
21 nov Votuporanga – Circuito Cultural Paulista – 20h - Grátis
27 nov Ourinhos – Circuito Cultural Paulista – 20h - Grátis
28 nov Garça – Circuito Cultural Paulista – 20h - Grátis
29 nov São Manuel – Circuito Cultural Paulista – 20h – Grátis

Convidados:
1 nov - Street Breakers Crew e Dj Erry G
Todos os shows, exceto 1 nov – Carlinhos Antunes
Todos os shows, exceto 1, 7, 8 e 14 - Josué dos Santos
14 a 29 nov- Simone Sou



Oficinas

03 nov SESC Pinheiros -Dança - jovens e Adultos
04 nov SESC Pinheiros – Perc -Curumim - Infantil
05 nov SESC Pinheiros – Dança - jovens e Adultos
06 nov SESC Pinheiros – Perc - Curumim - Infantil
11 nov TAC – Florianópolis – Percussão - 14h
12 nov TAC – Florianópolis – Percussão - 14h
12 nov TAC – Florianópolis – Mesa Redonda - 18h
20 nov SESC Pinheiros – 11h Livre

Shows da Troupe Djembedon com o Côro Luther King

18 nov SESC Santana – Missa Luba com Fabiana Cozza - 20h
19 nov SESC Santana – Missa Luba com Fabiana Cozza - 20h

Ouvir faixas do CD: www.myspace.com/fantakonate
Telefone: 11 3368-6049
Skype : djembedon1

Vídeos no youtube :

Fanta Konatê



http://www.youtube.com/watch?v=qYIHoldhJD8 (Workshop Forró da Lua Cheia)



http://www.youtube.com/watch?v=N81t6F07568 (Fanta Canta para os Quilombolas Kalungas)

http://www.youtube.com/watch?v=DkzQNmgTccA (Filme SOU Meninos do Morumbi)

http://www.youtube.com/watch?v=2aONizz__Ys (Filme SOU Meninos do Morumbi 2)

http://br.youtube.com/watch?v=_KNBV78OI64 (com Rita Ribeiro no show de Simone Sou 2)


Coro Luther King e Troupe Djembedon (2009)



http://www.youtube.com/watch?v=aD1AL5OON5c (Afrocanto 3 Berimbau - Fabiana Cozza)


http://www.youtube.com/watch?v=0da7_ditbhg (Afrocanto 6 Sidi Mansur e Kyrie - Mouna Amani)

http://www.youtube.com/watch?v=FJdT4aVQdbY (Afrocanto 8 Gloria - Mouna Amani)



Vídeos da Biomusica (Trabalho Humanitário com Tambores)


25 outubro, 2009

Perplexo

Perplexo

Onde, como não sei

não sei porque

será o que?

não há de que...

de certo talvez

Caminhava muito rápido

pausa!.... para as flores

que caminham mais lentamente

e exalam o perfume da alegria

risos no Teatro...

olhar atento para o que não tem explicação

meus olhos embargados agora

do que não rimos?.

com sua ausência me perco

fico para trás

meus pés não tem chão

sorria Juliana!... porque eu te amo

juntos a caminhar até nos desencontros.

Maurício Barbara.

18 outubro, 2009

Os Senhores do Tempo

Luiz Menna-Barreto

Sim, adiantemos nossos relógios uma hora e façamos o sol nascer e morrer mais tarde, incrível parece ser o poder que temos de manipular o tempo através dos ponteiros. Agora, esse jogo das horas serve para o que, afinal? Há alguns anos nos diziam que era para economizar energia, hoje a história é diferente, serve para aliviar o pico de demanda de energia do início da noite. Enfim, as justificativas variam, mas o horário de verão resiste e persiste.
Gosto de pensar num mundo sem essa manipulação do tempo. Claro que há quem goste, sobretudo aqueles que não frequentam auroras e que preferem o final do trabalho ainda ensolarado. Para esses, sugiro atrasar todos seus horários para uma hora mais tarde e com isso reorganizar sua vida de acordo, sem precisar bulir nos relógios, os próprios e os alheios. Outros tantos reclamam de ter que levantar na escuridão e enfrentar o trânsito ainda na penumbra, nas horas ditas mortas. Gostando ou não, acabamos nos acostumando, ou quase, com o novo jogo do relógio.
Alguns, poucos talvez, nunca se adaptam, contam de sonos mal dormidos e vigílias mal acordadas, desconforto diluído pelo corpo e alma. Esse desconforto, mesmo que passageiro, encontra suas raízes no convívio dos homens com os ciclos da natureza, divididos agora que estamos entre os tempos do sol e da lua e os tempos dos relógios. O tempo das máquinas adquiriu, por assim dizer, vida própria e o tempo dos homens é cada vez mais ditado por interesses alheios ao seu viver e aos seus desejos – manipular o relógio nos outubros e novamente nos fevereiros não passa de uma ilusão de poder, a novidade se esgota, a rotina ressurge impiedosa.

14 outubro, 2009

Um Churrasco por Semana

Não falta mais nada. Não bastassem todas as normas que temos de seguir e todos os pecados que não podemos cometer, a patrulha do bem vem nos dizer o que se pode comer. Não coma carne. Não é novidade? Well, há algum tempo esse discurso era baseado na saúde do indivíduo, a carne como fonte de colesterol ruim que entope artérias, provoca doenças cardíacas, obesidade e até câncer. Além da pena que alguns sentem pelos animais que morrem para satisfazer nossas necessidades alimentares, também ouvia, incrédula, um argumento evolucionista – o natural do ser humano seria comer frutas, verduras, castanhas e raízes. (E para que temos proteases?).
Há um par de anos surgiu essa história de que comer carne prejudica o meio ambiente, a saúde do planeta. Começaram falando do impacto da flatulência bovina no efeito estufa, depois da derrubada das florestas para a formação de pastagens. E eis que surge a campanha Meatless Monday (www.meatlessmonday.com). A ideia é salvar o planeta ao se deixar de comer carne uma vez por semana. Não sei o que mais me incomoda nesse discurso: pensar que a solução para os males do mundo se dá no plano individual ou desconsiderar, simplesmente, a possibilidade de se discutir uma mudança no modelo econômico hegemônico (ou será que recursos naturais não têm a ver com a economia?).
Além disso, quem circulou recentemente pelas coxilhas gaúchas pode testemunhar a extensão da monocultura de soja transgênica. Se todo mundo virar vegetariano, haja...
Considero a comida parte fundamental da nossa cultura. Comer é gosto, cheiro e prazer. Sentar em volta de um fogo e compartilhar um belo pedaço de carne, remete-nos aos costumes mais remotos da vida em sociedade. Churrasquear é mais que ingerir insípidas proteínas de origem animal, trata-se de convivência, de socialização, de troca de idéias e de amizade, além do sabor da carne, claro. Estou pensando numa campanha, Um Churrasco por Semana, não em prol da paz mundial, ou do planeta, mas a favor da alegria das pessoas.

Bazar Delas - São Paulo - SP

11 outubro, 2009

The New American Century            : Information Clearing House - ICH

The New American Century

The untold history of The Project for the New American Century

This film demonstrates how the first film theaters in the US were used over a hundred years ago to broadcast propaganda to rile the American people into the Spanish-American War.
The film exposes how every major war in US history was based on a complete fraud .


Video Posted October 09, 2009

The New American Century           
: Information Clearing House - ICH


Shared via AddThis




09 outubro, 2009

Lula lá, até na Argentina

Parece que a tradicional rivalidade com nossos hermanos está se desmilinguindo: na Argentina nosso presidente ganharia uma eleição com 52% dos votos e a sua imagem positiva alcança 73%. Lula, lá, ganha até do queridinho do mundo, Barack Obama, Nobel da Paz deste ano, que tem 62% de popularidade e teria 44% dos votos numa eleição.


Fonte: http://oglobo.globo.com/pais/mat/2009/10/08/se-fosse-argentino-lula-seria-eleito-presidente-la-767982186.asp

05 outubro, 2009

Segundo Ciclo Pensamento Alemão no Século XX - Instituto Goethe - São Paulo - SP

Goethe-Institut São Paulo convida para

2. Ciclo Pensamento Alemão no Século XX

Grandes protagonistas e recepção no Brasil

A Alemanha, como nenhum outro país europeu no século XX, foi o ponto de intersecção de diversos processos históricos universais: a Primeira Guerra Mundial, o nacional-socialismo, a Segunda Guerra Mundial, a divisão do país na linha de frente dos grandes blocos antagonistas da Guerra Fria, a reunificação em meio a uma situação mundial marcada pela crescente globalização. Repetidamente, ela ocupou o centro de processos históricos que atingiram o mundo como um todo; e repetidamente o pensamento alemão (ou em língua alemã) tornou-se o palco de desafios radicais para o pensamento, englobando praticamente todos os âmbitos da experiência humana.

Dando continuidade ao primeiro Ciclo (que abordou em 2007 a obra de pensadores como Freud, Weber, Heidegger, Schmitt, Benjamin, Adorno, Bloch, Arendt, Marcuse, Habermas e Luhmann), o 2º Ciclo Pensamento Alemão no Século XX apresentará a obra de outros pensadores fundamentais, que mudaram o rumo de suas disciplinas e afetaram profundamente nossa visão do mundo, do universo e de nós mesmos: Erich Auerbach, Norbert Elias, Ludwig Wittgenstein, Karl Popper, Georg Lukács, Rosa Luxemburg, Carl Gustav Jung, Wilhelm Reich, Albert Einstein e Werner Heisenberg.

Da crítica literária à física quântica, da psicologia à teoria da ciência, da política à matemática, estes pensadores deixaram marcas profundas também no pensamento brasileiro. Por isso, alguns dos mais importantes intelectuais do país discutirão a importância da obra, a atualidade das questões e a especificidade da recepção brasileira de cada um destes autores, lembrando sempre uma frase do Galileu de Brecht: “Pensar é um dos maiores prazeres da raça humana”.

Serviço
6 de outubro a 8 de dezembro 2009, terças-feiras, às 19h
Goethe-Institut São Paulo
Rua Lisboa, 974
Entrada franca
11 3296 7000
cultura@saopaulo.goethe.org

Realização: Goethe-Institut São Paulo

Programa

6 de outubro, 19h

Erich Auerbach: a condição humana entre a história e a filologia
Leopoldo Waizbort

13 de outubro, 19h

Elias: inovador da Sociologia Contemporânea
Sérgio Miceli

20 de outubro, 19h

Jung e a relação com o diferente
Laura Villares de Freitas

27 de outubro, 19h

Wittgenstein e a lógica da apresentação do mundo
José Arthur Giannotti

3 de novembro, 19h

Georg Lukács: autonomia e heteronomia da arte
Arlenice Almeida da Silva

10 de novembro, 19h

Rosa Luxemburg hoje: socialismo ou barbárie
Isabel Loureiro

17 de novembro, 19h

Popper: as vicissitudes do racionalismo
Jézio Hernani Bonfim Gutierre

24 de novembro, 19h

Reich: a ciência como militância
Paulo Albertini

1 de dezembro, 19h

Heisenberg: renovando o entendimento da natureza
Antonio F. R. de Toledo Piza

8 de dezembro, 19h

O difícil legado de Albert Einstein
Carlos Ourivio Escobar

Lançamento da Publicação
1. Ciclo Pensamento Alemão no Século XX – Grandes Protagonistas e Recepção no Brasil, Editora Cosac Naify
Organização: Jorge de Almeida

Perfil dos palestrantes

Entre a Luz e a Sombra




Entre a Luz e a Sombra

Sábado 10 de Outubro 21h Cinesesc-SP

e em 16 capitais no Brasileiras

Três destinos que se cruzam no maior presídio de America Latina
Uma câmera acompanha esta história por 7 anos
Um Brasil que se revela entre o encanto e o desencanto humano


Através da trajetória do grupo de rap 509, formado no Carandiru, e do trabalho da atriz

Sophia Bisilliat, que abandonou a carreira para se dedicar à causa carcerária.

Um Brasil se revela entre o encanto e o desencanto humano

Direção e Imagens: Luciana Burlamaqui
Edição: Matias Lancetti, Luciana Burlamaqui, Daniel A. Rubio
Empresa ProdutoraZora Midia

Produtos associado: Daniel A. Rubio
ContatoLuciana Burlamaqui / lburlamaqui@yahoo.com / www.zoramidia.com.br

DIREITOS DA POPULAÇÃO CARCERÁRIA

Para ver o endereço das exibições e como chegar em as diferentes capitais acessar:

http://www.cinedireitoshumanos.org.br/2009/f14.php

30 setembro, 2009

Centenário de Fúlvio Abramo e Hermínio Sacchetta - 75° aniversário da Batalha da Praça da Sé - São Paulo - SP























Venha celebrar o centenário dos militantes Fúlvio Abramo e Hermínio Sacchetta e o 75º aniversário da Batalha da Praça da Sé em um ato-homenagem à sua memória e história de dedicação à luta revolucionária internacionalista.

com Antonio Candido e Dainis Karepovs


FÚLVIO ABRAMO (1909-1993) foi jornalista, agrônomo e militante trotskista. Interessou-se pela luta social a partir da relação com o avô Bôrtolo Scarmagnan, que permitiu-lhe o primeiro contato com o pensamento anarquista. Antes de cumprir vinte anos (1928) conformou, com a irmã, Lélia, e o Azis Simão, um grupo marxista independente do PCB. Pouco tempo depois, fundou, junto com Mário Pedrosa, Lívio Xavier, Aristides Lobo, Hilcar Leite, Rodoldo Coutinho, Rudolf Josip Lauff e João da Costa Pimenta, a Liga Comunista Internacionalista, seção brasileira da Oposição de Esquerda trotskista, chegando a formar parte da sua Comissão Executiva. Fúlvio haveria de permanecer fiel ao trotskismo até o momento da sua morte. Em 1933-34, quando a LCI empenhou-se na luta antifascista, foi diretor do jornal O Homem Livre, porta-voz do antintegralismo, e, depois, foi eleito diretor da Coligação das Organizações Operárias que conformavam a base da Frente Única Antifascista, que conseguiu dispersar os integralistas na histórica "Batalha da Praça da Sé," contra-manifestação armada na Praça da Sé, em São Paulo, no dia 7 de outubro de 1934. Preso em duas ocasiões (1934 e 1935) pelo Estado Novo, viu-se obrigado a fugir para a Bolívia junto com mais três camaradas. Permaneceu na Bolívia até 1946, trabalhando como motorista, cobrador de impostos e professor de Botânica Aplicada. A militância não se deteve no exílio. Com o nome de Marcelo de Abiamo, participou na fundação do Partido Obrero Revolucionario na Bolívia. Em 1961 liderou a greve do Sindicato dos Jornalistas, que conseguiu histórica vitória. Após o golpe, trabalhou provisóriamente como agrônomo numa fazenda de Barretos, SP. Em 1965 conseguiu finalmente voltar à imprensa, com um emprego de redator e repórter na revista Realidade, da Editora Abril; anos depois, trabalhou como redator no Diário do Commércio e na Gazeta de Pinheiros. Nos anos 1980 esteve junto ao movimento de construção do PT e retoma sua militância trotskista participando da Direção Nacional da Corrente O Trabalho do PT, seção brasileira da 4ª Internacional. Dedica seus últimos anos de militância no trabalho de preservação da memória da classe operária como impulsionador do Centro de Documentação do Movimento Operário Mário Pedrosa (CEMAP), hoje sob guarda do CEDEM-Unesp.

HERMÍNIO SACCHETTA (1909 – 1982) foi jornalista e militante trotskysta. Iniciou sua carreria profissional em 1928, como revisor do Correio Paulistano, passando depois por importantes jornais daquela época como a Folha da Manhã, a Folha da Noite, os Diários Associados e O Tempo. Para a militância política entrou em 1932, no Partido Comunista onde se tornou editor do Jornal A Classe Operária, secretário do Comitê Regional São Paulo e membro do Bureau Político. Foi um dos articuladores da greve dos Correios e Telégrafos em dezembro de 1934, caindo a partir daí na clandestinidade. Nesse mesmo ano sob pressão da juventude comunista, entra conflito com a linha do PCB, que não participa da Frente Única Antifascista, e orienta os militantes a participarem da "Batalha da Praça da Sé". Em novembro de 1937, Hermínio, codinome Paulo, em meio a uma luta interna no partido, é acusado de fracionismo trotskista e expulso do PCB. Constitui com o Comitê Regional de São Paulo a Dissidência Pró-Reagrupamento da Vanguarda Revolucionária. É delatado pelo stalinismo ao vivo pela rádio Moscou e preso e quase dois anos depois, quando sai da cadeia torna-se dirigente do recém-fundado Partido Socialista Revolucionário (PSR), então seção brasileira da 4ª Internacional junto com inúmeros camaradas como Febus Gikovate, Alberto da Rocha Barros, Vítor Azevedo, Patricia Galvão (Pagu), Florestan Fernandes, Maurício Tragtenberg entre outros. Ao longo de toda sua vida dedicou-se à militância e ao jornalismo.
Cláudio Abramo, seu companheiro de redação no Jornal de São Paulo, recordaria: “Sacchetta foi durante muitos e muitos anos um dos melhores e mais importantes chefes de redação que o jornalismo de São Paulo produziu. Homem de princípios rígidos, (...) travou sempre com a profissão de jornalista uma batalha árdua e difícil, enfrentando ao mesmo tempo os empregadores e a redação, que ele tentou incansavelmente moldar e domar



A BATALHA DA PRAÇA DA SÉ - FRENTE ÙNICA ANTIFASCISTA (7 DE OUTUBRO DE 1934) - Também conhecida como "Revoada dos galinhas-verdes" foi o confronto que teve lugar na Praça da Sé, em São Paulo, em 7 de Outubro de 1934. Nesse confronto trotskistas, anarquistas, socialistas, comunistas, sindicalistas organizados na Frente Única Antifascista, se posicionaram contra a realização de uma marcha organizada pela Ação Integralista, organização que congregava correntes reacionárias e fascistas, dirigida por Plínio Salgado. Nesse confronto armado morreu o militante da juventude comunista, Décio Pinto de Oliveira, estudante da Faculdade de Direito de São Paulo, Largo de São Francisco. Décio foi alvejado na cabeça enquanto discursava. Ele passou a ser o símbolo do movimento antifascista brasileiro daqueles anos. Também ferido foi o militante trotskista Mário Pedrosa, enquanto tentava socorrer o jovem militante comunista atingido. Como narrou Lélia Abramo "Enfrentamos, com armas nas mãos ou sem elas, a organização fascista integralista, comandada por Plínio Salgado. Os integralistas estavam todos fardados, bem armados, enquadrados e prontos para uma demonstração de força, protegidos pelas instituições político-militares getulistas e dispostos a tomar o poder. Nós, espalhados ao longo da praça e nas ruas adjacentes, esperamos pacientemente que desfilassem primeiro as crianças, também fardadas, e as mulheres integralistas. Depois disso, quando os asseclas de Plínio iniciaram seu desfile, nós todos avançamos e começou a luta aberta."

Organização:
Corrente O Trabalho do PT, seção brasileira da 4ª Internacional
Marcelo e Paula Abramo
Vladimir e Paula Sacchetta


Apoio:
Gabinete do Vereador Antônio Donato, PT
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de SP


After 20 Years of Filmmaking on US Injustices, Michael Moore Goes to the Source in

After 20 Years of Filmmaking on US Injustices, Michael Moore Goes to the Source in "Capitalism: A Love Story"

Shared via AddThis