03 novembro, 2008

Encontro de Centros de Documentação e Memória de Ribeirão Preto e Região

Desenvolvi certo interesse por preservação do patrimônio histórico quando trabalhei no centro histórico de Ribeirão Preto e acompanhei o desenvolvimento da tese do J. H. Artigas de Godoy. Visitei algumas sedes de fazendas e vi que muitas estavam completamente abandonadas. A política de preservação histórica no Brasil enfrenta um paradoxo, pois a maior parte das políticas de preservação e restauração do patrimônio histórico é direcionada predominantemente para áreas urbanas, entretanto, tivemos até meados do século passado a economia predominantemente rural. Uma nova geração de pesquisadores surgiu para analisar o desenvolvimento histórico de regiões importantes no século passado e retrasado. Faz se necessário o desenvolvimento de políticas específicas que recompense os detentores privados destas construções que mantiverem e restaurarem o patrimônio histórico de áreas rurais. Estamos atravessando uma transição demográfica de antigos moradores que residiam nestas sedes e portanto tendiam a preservar estas construções para novos rentistas que estão descolados da gestão destas construções e não tendem a valorizá-las. A morosidade na avaliação dos processos de tombamento pode servir para acelerar a degradação destas áreas, então qualquer política de valorização, preservação e restauração deve conscientizar os detentores deste patrimônio quanto suas possibilidades de revalorização. Para finalizar vou postar um link da UNESCO com a lista de patrimônios tombados pelo órgão. beijos e abraços.







Programação enviada por Érica Santos

Encontro de Centros de Documentação e Memória de Ribeirão Preto e Região

Data: 18 de novembro a partir das 9hs

Local: Theatro Pedro II / auditório Meira Jr

Inscrições: Grátis

Solicite ficha de Inscrição através do e-mailcedom.pedro2@ cultura.pmrp. com.br até 13 de novembro. Vagas Limitadas.

Destinada a pesquisadores e funcionários de Centros de Documentação de Ribeirão Preto e região. O Encontro tem por finalidade promover a troca de experiências sobre a implantação e atuação dos Centros nas suas comunidades, universalizar critérios para o tratamento documental e a criação de uma rede de comunicação e cooperação entre as instituições.

Programa

9h - Projeto SESC Memórias

Apresentação de Marta Raquel Colabone, bacharel em História, com especialização em Comunicação pela ECA/USP e em artes pelo IA/UNESP. Gerente da GEAC Gerência de Estudos e Desenvolvimento do SESC São Paulo e coordenadora geral do SESC Memórias.

10h20 - Palestra Centros de Memória e sua Inserção Regional

Ministrada pela professora e doutora em História pela UNESP Célia Reis Camargo. Doutora, que também é coordenadora do CEDEM CEDEM Centro de Documentação e Memória e Docente da UNESP

13h30- Relatos de experiências

CDEPE/FEF: UM ESPAÇO DE MEMÓRIA EM CONSTRUÇÃO

Humberto Perinelli Neto, doutorando em História (UNESP/Franca), coordenador do CDEPE Centro de Documentação e Pesquisa da Fundação Educacional de Fernandópolis e do projeto Memória Regional e Local. Docente do Centro universitário Barão de Mauá e da FEF Fundação Educacional de Fernandópolis.

ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS FOTOGRÁFICOS DE INSTITUIÇÕES PRIVADAS

Leila Heck, especialista em Organização de Arquivos pelo IEB- Instituto de Estudos Brasileiros (USP/SP) e produtora cultural na área de Preservação de Acervos.

CEDAP - UMA EXPERIÊNCIA DE POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO E INFORMAÇÃO

Marlene Aparecida Gasque, mestre em História (UNESP/Assis) e historiógrafa do CEDAP Centro de Documentação e Apoio à Pesquisa (UNESP/Assis). Docente no IEDA Instituto Educacional de Assis.

O ARQUIVO PÚBLICO E HISTÓRICO DE RIBEIRÃO PRETO

Considerações sobre os 16 anos de história da instituição (problemas e alternativas)

Tânia Cristina Registro, mestre em Ciência da Informação (UNESP/Marília) e historiadora do Arquivo Público e Histórico de Ribeirão Preto.

15h30 - Fórum para a criação de uma rede de comunicação e cooperação

17h – Encerramento

Nenhum comentário:

Postar um comentário