10 novembro, 2008

Crônica Mesoperiféricas I - por Rogério Nogueira

Mauritz,
..não descobri como mandar minha crônica direto pro site...daí tô te mandando..
abraços,
rogerio

--
"As vielas se abriram para um jatobá passear de bicicleta."

Epelegrindus de Gúncios

Crônicas Mesoperiféricas I

Nas periferias em geral – inclusive nas mesoperiferias – existe um meio de transporte que devido à sua necessidade poucos se arriscam a criticá-lo. Irmão bastardo dos grandes veículos que circulam há muito mais tempo nas grandes cidades, a lotação ou micro-ônibus (seu primos bastardos kombis foram retirados de circulação) podem ser reconhecidos por diversas maneiras. A mais comum é a gritaria disparada pelos auxiliares dos motoristas, que não contentes com as placas luminosas (ou não) identificadoras das linhas as quais pertencem esbugalham os ouvidos já tão sofridos dos passageiros aflitos por chegaram em casa alguns minutos mais cedo. Esses gritos, quando são inteligíveis, informam ao trabalhador, estudante, dona-de-casa, aposentado o itinerário pelo qual aquele veículo vai passar. Como normalmente são variadas as linhas que obtiveram autorização para explorar esse lucrativo negócio, um tonitroante coral desarmonioso disputa aos berros suas vítimas estacionados num ponto de ônibus.

“Vítimas? Não precisa exagerar” você pode retrucar, pois algum dia precisaremos desse ensandecido transporte e, naquele dia de chuva, quando os seus irmãos mais velhos e maiores estiverem também abarrotados de gente, a lotação será muito importante...

“Mas quando está vazia? Ou vai me dizer que nunca passa vazia?” Passa sim. Mas elas herdaram os mesmos problemas que os ônibus: você entra pela porta da frente e na partida do veículo, devido às leis da física que não me recordo qual agora, você passa como uma flecha ao lado dos inúmeros assentos vagos que existem. Um ombro pode se deslocar após um movimento brusco de arrancada ou a cabeça bater num daqueles canos projetados para os “em pés” segurarem...aliás, na placa de lotação da lotação não consta passageiros em pé só sentados...Lotação de primeiro mundo deve ser assim...todos sentadinhos....

Entretanto não existe só coisas ruins nas lotações. Às vezes fico reparando naqueles jovens que saem dos colégios da região, sempre sorrindo e brincando de apertar um ao outro. Ou naquelas senhoras que entram no carro com um monte de sacolas do supermercado e são, gentilmente, auxiliadas pelas cobradoras da lotação. Ou um certo cuidado demonstrado pelos motoristas quando os poucos que se arriscam deficientes físicos se acomodam nos bancos de encosto amarelo.

Pegar a lotação lotada ou vazia é sempre uma aventura, embora, dentro dela, sempre poderemos encontrar um bom motivo para escrever sobre o nosso sofrido quotidiano, sobre o que acontece diariamente na mesoperiferia.

Epelegrindus de Gúncios

2 comentários: